domingo, 6 de setembro de 2015

Cufra | Porto

Vamos ao Porto em trabalho e queremos aproveitar para comer uma Francesinha, sugestões?
Diversos amigos responderam e vários referiram o restaurante Cufra na Avenida da Boavista. Como era perto do hotel, aceitámos a sugestão e lá fomos nós...

(foto do facebook)

O Cufra existe desde 1974 e é uma referência na gastronomia da cidade do Porto. À boa maneira tradicional portuguesa, é restaurante, marisqueira, cervejaria e snack-bar... nos dias hoje, onde a simplicidade é um fator-chave, parece um conceito confuso, mas, para um espaço emblemático como este, não podia ser de outra forma.

Chegámos já perto das 22h, de uma quarta-feira, e posso dizer que a casa estava composta. Pareceu-me um bom sinal - ainda que não saiba se é habitual ou se foi por ser dia de meia final da Liga dos Campeões. O espaço é composto por duas salas, ambas com uma decoração antiquada - paredes de madeira, mesas com toalhas brancas, sofás vermelhos e cadeiras escuras - e com um ambiente que faz lembrar os antigos cafés/restaurantes dos anos 70/80. Não sei se é propositado, mas, a mim, parece-me é que nada mudou desde que este restaurante abriu.

Sobre o atendimento, posso dizer que está de acordo com o que se espera. Empregados com experiência que tratam os seus clientes de uma forma educada e profissional. Sem serem excessivamente simpáticos, são disponíveis e sempre preocupados.

Passando ao que verdadeiramente interessa: a comida! Ou melhor, as Francesinhas, porque é este o tema deste texto. Numa palavra, são óptimas. Não sei se são as melhores do Porto, como alguns dizem, mas são as melhores que já provei (nota: o meu conhecimento sobre Francesinhas não é muito vasto).
Optei pela Francesinha Especial com Bife, pois a Francesinha Especial (a dita "normal") é servida com lombo assado. É um pouco mais cara, mas, na minha opinião, o Bife é um ingrediente fundamental numa Francesinha.
Quando chegou à mesa, reparei que não era servida com batatas fritas. Pessoalmente, não me fez grande diferença, mas notei o espanto das pessoas que me acompanhavam que acabaram por pedir uma dose (cobrada à parte). Deixem-me, no entanto, clarificar que foi apenas porque sim, pois a quantidade da Francesinha é generosa e mais do que adequada para não se ficar com fome.
Destacando o molho, enquanto elemento mais importante e diferenciador, posso dizer que tem o equilíbrio certo para não ser excessivamente picante. Relativamente aos restante ingredientes, a qualidade é notória e encontravam-se muito bem confeccionados. Para quem gosta do bife mais mal passado, talvez seja necessário reforçar a ideia no momento do pedido.

No geral, saí satisfeita. É verdade que as expectativas não estavam muitos altas, pois, apesar de todas as recomendações, tive a oportunidade de ler alguns comentários menos positivos, mas digo que foram totalmente superadas.
Talvez este restaurante seja mais caro que outras opções de qualidade semelhante? É possível.
Talvez eu tenha tido sorte na única vez que lá fui? Também é possível.
Agora, acho, definitivamente, que o Cufra merece uma visita.

data da visita: 13.maio.2015
preço por pessoa: 21 €
(o valor inclui bebidas: cervejas, refrigerantes ou águas, sobremesas e cafés)

Cufra
Av. da Boavista 2504, Porto

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Darwin's Cafe

Já estava na to do list há algum tempo, e finalmente lá fomos. Descobri há pouco no site que é gerido pela equipa do LA CAFFÉ, marca de restauração da LANIDOR. 

O espaço
Uma decoração única, desenvolvida à volta da Origem das Espécies de Charles Darwin (o que já se faria adivinhar). É um espaço muito amplo (um enorme pé direito), e, ainda assim, muito confortável. Sendo um restaurante grande (capacidade para 116 pessoas na sala interior e 40 na esplanada), na sala interior a arrumação do espaço está feita com muito espaço entre as mesas.
Uma das coisas que mais me espantou foi o controlo acústico - restaurante absolutamente cheio e a conversa fluía sem qualquer incómodo das mesas vizinhas ou ruído de fundo.
Aconselha-se a reserva prévia de mesa - a maître d' recusou mesas uma vez que já tinham o restaurante completo com reservas naquele dia (uma sexta feira à hora de almoço a meio do mês).

Decoração

A ementa
A ementa de almoço (que pode consultar aqui) apresenta uma série de opções que não nos permite identificar um estilo único - encontramos pastas, risottos, pratos tradicionais portugueses, saladas, carpaccio, tataki... É uma opção de versatilidade que permite servir uma série de apetites/gostos diferentes e que nos parece pragmática.
Decidimo-nos por um Tagliatelline com frango grelhado, legumes chineses, pesto e natas e um Brás de frango com alheira e rúcula, ambos muito bons, que acompanhámos com um Monte da Raposinha.
Da carta de sobremesas, optámos por um Creme brûlée Darwin e pelo Pudim Abade de Priscos. O creme brûlée estava óptimo, tinha uma pêra cozida escondida no creme, e era coberto com açúcar mascavado queimado na hora, o que lhe conferia um crocante delicioso. O pudim, era um pudim de ovos muito bom, mas não tinha a consistência ou textura de um verdadeiro "Abade de Priscos".

O serviço
Nota-se que existe uma forte aposta na formação da equipa de sala, pois existe cuidado e muita atenção no serviço. Melhor que isso, conseguem ao mesmo tempo ser descontraídos e simpáticos, o que só acrescenta ao conforto do restaurante.

Em resumo
Sendo um restaurante de preço mais elevado, poderá reservar a visita para uma ocasião mais especial, mas não deixe de o fazer. Tente apontar para um dia solarengo, para tirar o máximo partido do espaço e da localização junto ao rio.

data da visita: 17.abril.2015
preço por pessoa: 30 €

Darwin's Café
Champalimaud Centre for the Unknown
Av. Brasília, Ala B, Lisboa

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Popolo

Ideias para o almoço eram bem-vindas. TimeOut em cima da mesa. Numa das páginas a referência ao Popolo. Boa pinta. Vamos lá.
Existe uma nova vida na zona do Cais do Sodré e da Avenida 24 de Julho. O plano de revitalização da Câmara Municipal de Lisboa para a zona está a dar frutos. Novos espaços começam a brotar e existe agora mais um polo de atração para onde vale a pena irmos.

O restaurante
O Popolo situa-se em plena Avenida 24 de Julho, na esquina em frente ao IADE. As letras inspiradas nos anos 50 anunciam um restaurante de decoração cuidada que nos remonta a espaços industriais. Sala ampla, com uma mezzanine que convida a refeições descontraídas. A música ambiente, no volume ideal, aconchega.

A carta
O Popolo serve pratos descontraídos de inspiração italiana e americana. Os hamburgers misturam-se com as pizzas. A grande inovação deles chama-se Burguesa é uma pizzeta. Para ajudar à compreensão, trata-se de uma calzone que envolve o hamburger. A combinação dos ingredientes resulta num hamburger suculento que se mistura com o molho de tomate, o queijo e o salame.
A acompanhar uma pequena salada com rúcula e tomate cherry e um cesto de batatas fritas. Os preços fixam-se entre os 7 e os 10 euros.
Servidos em tábuas de madeira, os hamburgers ou as pizzas, tudo tinha um óptimo ar. A escolha da Burguesa revelou-se acertada, embora a cobiça pelos pratos das mesas ao lado deixe a vontade em regressar para conhecer a restante oferta.

Pizzeta Burguesa

O serviço
Dada a azáfama que Lisboa começa a revelar em descobrir novos espaços optámos por reservar mesa. Acredito que é aconselhável. Embora existam muitas mesas, a reserva garante que se evitam filas de espera. Todo o staff foi eficiente e educado. Não é um serviço extraordinário, mas não cumpre bem o que é esperado. Destaque para a simpatia com que fomos recebidos.

Veredicto
O Popolo é mais que "yet another burger restaurant". Tem uma atmosfera cosmopolita e mais adulta que as outras hamburgerias. Para quem estiver por aquela zona é uma alternativa mais que recomendável ao Mercado da Ribeira. A relação preço-qualidade é justa. Vale a pena conhecer.

preço por pessoa: entre os 12 € e os 15 €

Popolo
Av. 24 de Julho, 50, Lisboa

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Velhos Tempos Taberna | Braga

Viajar em trabalho permite-nos descobrir locais únicos. Quem habita nos sítios conhece os recantos secretos onde se levam apenas os amigos ou quem se quer impressionar. Depois de uma longa viagem de carro até Braga e terminada a reunião eis que o anfitrião nos diz: "Vou levar-vos ali a um sítio."
Esta afirmação vinda de alguém natural de Braga só pode significar que iremos descobrir um recanto de amigos. Onde as conversas fazem esquecer o tempo e a comida acompanhada do vinho, que se quer tinto, é a cereja em cima do bolo.


O Velhos Tempos Taberna diz tudo no seu nome e na porta. A madeira que se combina com a pedra transporta-nos para os tempos onde o minimalismo era coisa de gente moderna e sem gosto. No Velhos Tempos Taberna a decoração é de coisas velhas do tempo, não do desgaste. Daquelas coisas que a avó tem lá por casa e que pintam de laivos de memória alguns momentos que permanecem.

O restaurante
O espaço é intricado. Com escadas e várias salas ligadas entre si, é com se entrássemos num labirinto. À mesa, as generosas doses fazem-se destacar por entre a decoração de velharias e coisas típicas das casas dos avós. Esqueça-se por momentos os tectos altos e a mobília de linhas rectas. Abracemos as madeiras escuras e toscas que combinam na perfeição com os grandes móveis - louceiros e armários - e com a média luz que ilumina o espaço. Tivemos o privilégio de ficar na sala mais recatada do restaurante onde apenas mais duas mesas faziam companhia à nossa.


A ementa
A ementa combina os pratos do dia e Os pratos. Esqueçamos os do dia que estão ali para quem tem pressa. Nós não temos. Estamos em trabalho. Pois então, diga-nos lá o que tem para impressionar estes lisboetas esfomeados.
Ah ele é isso? Então venha de lá de entrada uns rissóis de camarão feitos de massa de pastel de massa tenra. Que delícia. O pão que é massudo e denso acompanha em beleza as azeitonas. Mas esperem, tenho ali uma alheira de caça que vão gostar. E gostámos. Muito.

Entradas - Pão, azeitas e alheira
Agora que o estômago já acamou que venha o rei da refeição. Rojões. Temos direito a tudo. Tripas enfarinhadas, papas de sarrabulho. Tudo serviço em doses mais que generosas como apenas alguém que gosta de impressionar faz. Algum reparo? Nem pensar! Tudo óptimo.

Rojões à minhota - inclui tripas enfarinhadas
Ainda há espaço? Ora pois bem, para acompanhar o café, que venha um pudim de abade de priscos que é caseiro. O melhor que já comi. Denso, de sabor intenso e rico. Não fosse o colesterol e os diabetes e ainda hoje estaria a comer fatias dele.
O vinho é uma peça chave para equilibrar tudo isto. Escolhemos de olhos fechados e confiámos na recomendação: jarro de vinho tinto da casa. Lá está. Vinho recheado em touriga nacional e tinta roriz tal as notas de frutos vermelhos. Não há madeira, mas as notas de especiarias foram muito bem com o que foi consumido.

O serviço
O serviço é impecável. Preocupado e disponível. Não foi possível avaliar a rapidez porque fomos sem pressa, mas a solicitude é digna de referência. Nada a apontar.

Veredicto
Sempre que voltar a Braga farei para ir ao Velhos Tempos Taberna. O restaurante é daquelas pérolas que surpreendem e deixam saudade.A qualidade é muito boa e os preços mais que justificados. Numa refeição que combine entradas, prato, sobremesa e vinho estaremos a falar de um valor que se situa entre os 20 e os 25 euros. A ir, sem dúvida.

preço por pessoa: entre os 20 € e os 25 €

Velhos Tempos Taberna
Rua do Carmo, 7, Braga